sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Crer. Para ver.

Veja:
há mais do que essa trama invisível
e perversa a aprisionar o horizonte
nesse édito da injustiça eterna.

Veja:
o homem-mercadoria e o tudo-coisa
não são tão absolutos quanto querem
fazer crer.

Veja:
Aqui e ali, no espaço-silêncio,
algo se move.
Lenta, desajeitada e ferozmente, move-se.

Veja:
Que 2011, grávido de tantas esperanças,
desfralde todas as bandeiras - rotas mas tão atuais -
para afirmar a liberdade humana como alvo e
como destino.

6 comentários:

Itajaí de Albuquerque  disse...

Belo poema. Um excelente 2011!

Aldenor Jr disse...

Caro amigo Tatá,

Retribuo os melhores votos de um excelente 2011 para você e para a Esther.


Com um forte e caloroso abraço,

Aldenor Jr.

Olho de Boto disse...

Já não era sem tempo que o blog precisava se atualizar no tempo/espaço. Apesar da poema um tanto sombrio, é bonito, porque é realista. Um bom 2011 pra todos.

Anônimo disse...

ATUALIZA JÁ!!!!

Uma camapnha dos leitores do Página Critica!!!

Já!!!

Aldenor Jr disse...

Caro Anônimo,

O editor deste espaço vive um dilema: como conciliar suas múltiplas atividades profissionais com o dever/prazer de atualizar diariamente o Página Crítica?
Não encontrei ainda uma equação, se é que existe alguma.
Mas. tampouco, perdi completamente as esperanças.
Quem sabe nos próximos dias, assim meio sem querer, alguma coisa acontece para destravar a atual paralisia que há meses pontifica por aqui.

Anônimo disse...

Acorda mais cedo!!! Atualiza Já!!

Campanha Atualiza Já!